terça-feira, 4 de outubro de 2011

2 meses




Poema de Paulo Henrique


Para Carlos Pena Filho, bisavô de meu bisneto
 Para quem ele faria um poema imortal


Paulo Henrique fugiu do céu,
rebolou num raio do sol.
Viajou no firmamento
sem parar um só momento
entre os astros, as estrelas,
as nuvens, o arrebol.
Encontrou muitos anjinhos
que o chamaram para brincar,
mas como é muito sabidinho
nunca esqueceu o caminho
que ainda tinha que trilhar.
Gostou de voar nas nuvens,
ver astros, anjos, galáxias
(que adorou visitar).
Mas não parou de voar:
Tinha que atingir a meta,
uma meta que sempre quis.
Então, num pulo de atleta,
numa inspiração de poeta,
Paulo Henrique caiu feliz
na barriga da nossa neta.
                                                                                                                
                                                                                                       Tania Carneiro Leão


*Poema que vovó Tania fez para o meu príncipe, o presente mais lindo!





Um comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...